27 fevereiro 2013

criminoso sedutor 3 capitulo



PDV Caitlin
Estávamos tão distraídas conversando sobre moda que só depois de adentrarmos o quarto de Jasmine é que demos pela falta de Avril.
–Calma. –Jasmine tentou me tranquilizar –Ela deve estar lá embaixo conversando com meu irmão.
Sentei-me em sua cama e olhei-a com expressão séria –Jasmine...Você sabe o que se passa entre Avril e bi...Justin, não sabe?
–Sei –murmurou e suspirando, sentou-se do outro lado da cama –Justin está louco por ela.
–E ela por ele. –bufei. –Mas eles não podem ficar...hã...ter nada. –Levantei-me num salto, seguida por ela –Preciso procurá-la. –disse, indo em direção a porta do quarto.
–Espere. –Jasmine deu um pequeno grito, aproximando-se –Espere...Deixe-os se entenderem.
–Você não entende?! Avril tem namorado...e se Chace descobrir vai dar merda.
–Ela tem namorado?! -Jasmine perguntou e no instante seguinte, colocou a mão na cabeça –Ai, ai, ai –franziu a testa –se bem conheço meu irmão, já deu merda.
Arqueei uma sobrancelha –O quê?...O que tá acontecendo que eu não sei?
–É que... Justin...Bom...
–Fala de uma vez, Jasmine.
–Justin é um pouco possessivo e ... ciumento... –abri a porta e saí, deixando-a falar sozinha.
Voei escada abaixo “-Merda, merda, merda” –percorri com os olhos aquela sala imensa “-Onde aqueles dois estão?” Atravessei a sala de jantar –Avril? –chamei, indo em direção à cozinha.
–Boa tarde, a senhorita deseja algo? –uma jovem senhora, que parecia ser a governanta da casa, me perguntou.
–Estou procurando minha amiga, que estava com bi... J-Justin.
A senhora franziu a testa –Ela estava com Justin? –afirmei com a cabeça –Então eles devem estar no escritório, que fica do lado direito da escada.
–Obrigada, senhora.
–Não há de quê, senhorita.
Quando já estava próxima à escada, deparei com Jasmine –Encontrou-os? –perguntou.
–Não ainda, mas me disseram que poderiam estar no escritório. –respondi e apontei para uma porta toda trabalhada –É aqui?
–É.
–Avril?! –chamei e esperei por resposta. Como não obtive nenhuma, caminhei em direção à porta –Avril?! –chamei novamente. –Você está aí, Flor? –perguntei, tentando abrir a porta.
–Tá louca, Caitlin?! –Jasmine sussurrou ao meu lado, tirando minha mão do trinco –E se estiverem ...sei lá...ocupados?
–E-Estou. –Avril respondeu com voz sufocada –Já estou...i-indo.
Olhei para Jasmine com cara fechada –Precisamos ir embora. –disse alto e dei meia volta, sentando-me no sofá.
Jasmine sentou-me ao meu lado –Desculpe...eu não sabia de nada. –olhei para ela. Parecia realmente alheia ao que acontecia lá dentro –Só que meu irmão está louco por ela. –balbuciou.
Dei um longo suspiro –Tudo bem, Jasmine. –disse, colocando minha mão sobre a sua –Não é culpa sua... Tudo isso é culpa de Avril que não mede consequência nenhuma.
PDV AVRIL
Arregalei os olhos ao escutar Caitlin me chamar.
–Avril?! –ela me chamou novamente e os passos, cada vez mais próximos , pararam –Você está aí, flor? –perguntou, mexendo no trinco da porta.
–E-Estou. –gaguejei, tentando tirar Justin que estava com o tronco sobre mim. –Já estou...i-indo.
–Precisamos ir embora. –disse ela, depois de algum tempo.
Sentei-me, mas ao tentar me desconectar dele, suas mãos me segurarão forte contra seu corpo –Ainda não terminamos –disse baixinho, com os olhos sobre mim -...neném. -o timbre de sua voz soou carregado de desejo e com um leve tom de autoridade, o que provocou um forte arrepio em meu corpo.
–Preciso ir. –sussurrei levantando-me. –Onde está minha...
–Aqui. –interrompeu sorrindo, com minha calcinha entre as mãos. Aproximei para pegá-la –Avril –disse, agarrando-me pela cintura e colando sua testa á minha. –Vamos deixar uma coisa bem clara: Eu não sou homem de ameaçar –seu hálito doce e morno me fez ficar zonza -...Eu faço. –sua mão que estava em minha cintura foi para minha nuca e então ele beijou-me furiosamente –Não me tire do sério, MINHA linda. –agarrou meus cabelos –Eu saberei de cada passo seu. –dizendo isso, entregou-me a calcinha.
Vesti rapidamente e depois de ajeitar os cabelos, destranquei a porta e antes de abri-la, virei-me em sua direção –Desculpe-me...Bieber –pronunciei seu nome de forma provocante –mas, eu não tenho medo de nada e nem de ninguém
Abri a porta e saí o mais rápido que pude, encontrando uma Caitlin sentada na sala, com cara de poucos amigos e ao seu lado estava Jasmine.
Antes que eu pudesse abrir a boca, fui puxada pelo braço e novamente Justin agarrou-me pela cintura. Havia um brilho perigoso em seus olhos, que estavam a centímetros dos meus –Então você não tem medo de nada, –pressionou mais ainda seu corpo contra o meu, que amoleceu ao sentir toda a sua masculinidade –...nem de ninguém. –sem sequer se importar com a presença de Caitlin e Jasmine, ele puxou-me pelos cabelos – Avril –disse contra o meu pescoço, sua voz exalando perigo -...você não me conhece. –sua língua passeou pelo lóbulo de minha orelha, fazendo-me soltar um gemido. Senti que ele sorria –Agora você é minha, então –sussurrou em meu ouvido -...saberei de cada passo seu. Ok, neném? –tomou-me os lábios num beijo totalmente indecente, fazendo meu corpo incendiar.
“-Meu Deus... Que homem é esse?” –pela primeira vez em minha vida me sentia em sérios apuros. Se eu não eu interrompesse logo aquele beijo, ele seria capaz de me possuir ali mesmo bem na frente de sua irmã e de Caitlin. “-Caitlin!” –lembrei e então reunindo todas as minhas forças, empurrei-o –Justin...não estamos sozinhos. –sussurrei com voz fraquinha.
Sua expressão era uma mescla de ira e luxúria e sua respiração entrecortada, batia contra meu rosto. A muito custo,me desvencilhei de seus braços e lentamente virei-me, encontrando as duas de pé no meio da sala. Tanto Jasmine quanto Caitlin estavam boquiabertas –Cait –chamei, sentindo meus lábios ainda inchados -...Vamos?
Caitlin piscou seus olhos dourados –Aham...Vamos. –respondeu num fio de voz, com certeza em choque com tudo aquilo.
–Jasmine, você virá conosco?
–N-Não. –respondeu e fitou o irmão –Err...James as levará?!
Dei um sorriso –Tudo bem –abraçei-a –Então ficamos assim: Caitlin e eu passamos aqui tipo...dez horas, ok?
–Ok.
–Não ...James as buscará as dez horas. –Justin disse em tom autoritário.
Virei em direção à Justin e fuzilei-o com o olhar porém, ele nem se importou. Se despediu de Caitlin beijando-lhe as bochechas, então estendi minha mão , a qual ele ignorou e passando o braço em torno de minha cintura, acompanhou-nos até a garagem.
–Este é James, motorista de Jasmine –apontou o indicador para o rapaz loiro que se aproximava –ele levará vocês duas em casa.
“-Ah. Meu. Deus!” –pensei e tinha certeza que esse foi o mesmo pensamento de Caitlin. À nossa estava o rapaz que logan nos apresentara na Scorpions. –Ok. –respondi, olhando de esguelha para Caitlin.
James parou a nossa frente com os olhos arregalados. Sua expressão era de pura incredulidade e, ao ouvir um leve pigarrear por parte de Justin, baixou a cabeça e deu a volta, abrindo a porta da Mercedes para nós duas.
Justin abraçou-me -Até mais, minha linda. –colocou as duas mãos em minhas faces e me beijou de uma forma possessiva, como se quisesse marcar território.
Após entrarmos na Mercedes, Justin encarou James com olhar cortante –Quero-o no escritório quando voltar.
–S-Sim, senhor.
PDV CAITLIN
Assim que James passou os portões da casa de Justin, virei-me para Avril –Pode me explicar toda aquela cena na sala? –perguntei baixinho. Avril ficou quieta, apenas franzindo a testa e como eu a conhecia desde nossas infâncias, percebi logo que havia acontecido o que não deveria ter acontecido –Não acredito que vocês... –emudeci ao ver a cara “lavada” dela –Você tá louca? –alterei o tom de voz –Flor, agora ele vai achar que é seu dono.
–Desencana Cait –bufou com cara feia –Ninguém é e nem será meio dono... Justin e eu estamos só nos curtindo. –nesse momento, James arranhou uma marcha e nossa atenção se concentrou nele por um tempo.
Olhei novamente para ela –Quando chegar em casa –cochichei -...quero saber todos os detalhes.
Avril rolou os olhos e ficou quieta, então fizemos o restante do trajeto em silêncio.
PDV AVRIL
Quando James estacionou a Mercedes em frente à minha casa e abriu a porta para descermos, fiz sinal para que Caitlin entrasse. Queria fazer algumas perguntas à ele e também deixar bem claro certas coisas.
–Não sabia que você trabalhava para Justin. –disse assim que Caitlin, mesmo contra sua vontade, nos deixou à sós.
–Nem eu sabia que você era garota do bieber.
–Eu não sou namorada dele. –esclareci –N-Nós só... hã... demos uns beijos. “-Cachorra, safada. Mentindo para o rapaz.”
James deu um sorriso triste –Não se iluda, -disse, passando as costas de sua mão em meu rosto -... você é a namorada dele e não posso mais nem te olhar –abri a boca para protestar “-Isso é um absurdo.” -... se eu não quiser tê-lo como inimigo. Adeus, Avril.
Não conseguia acreditar no que acabara de ouvir –Adeus. –disse num fio de voz, vendo a Mercedes se afastar.
PDV JUSTIN
Eu não nasci ontem. Sabia que havia muito mais naquela troca de olhares então, assim que Caitlin e Avril entraram na Mercedes, lancei um olhar a James. –Quero-o no escritório quando voltar.
–S-Sim, senhor. –ele sabia do que se tratava.
Atravessei a sala em direção ao escritório, precisava urgentemente falar com Jasper. Ao abrir a porta, me deparei com aquela bagunça toda e não consegui evitar um sorriso ao lembrar de Avril sobre a minha mesa.
Não tinha tempo para arrumar nada e então dando a volta na mesa, sentei-me e liguei para Jasper.
–Sim, chefe.
–Aqueles dois ex tiras que você trouxe aqui são mesmo de confiança?
–De total confiança, bieber.
–E MacCarthy... ele é um bom detetive?
–Pode apostar que sim.
–Hum...Então traga-os aqui com mais dois seguranças até –consultei o relógio no meu pulso, faltavam ainda muito para as três da tarde –...as cinco.
–Ok, bieber.
Desliguei o celular e fui até a cozinha –Carmen...mande alguém arrumar o escritório. Vou tomar um banho...quando James chegar, diga-o para me esperar.
Ao subir as escadas, deparei com minha irmã no corredor. Aos dezessete anos, Jasmine mais parecia uma garotinha de quatorze ou quinze anos. Sua estatura baixa e seu corpo pequeno, dava-lhe uma aparência de extrema fragilidade –Olá, mon petit. –disse sorrindo, pois se não fosse por ela, não teria conhecido minha Avril e eu estava muito feliz por isso.
–Oi, Justin. –respondeu com um largo sorriso. –Você parece muito feliz... Será que tem haver com a visita de hoje cedo?
Afirmei com a cabeça, ainda sorrindo. De repente lembrei-me de algo –Jas...eu irei um pouco antes de vocês. Então assim que chegarem, os seguranças as levarão ao camarote.
Jasmine franziu a testa –Não sei não, Justin... mas acho que  ...Avril vai querer ficar na geral.
Fiquei um tempo em silêncio, apenas olhando para Jasmine –Você acha que ela vai querer ficar na geral, –disse por fim e me aproximei bem dela, colocando meu dedo indicador no seu peito –mas eu digo que para sua segurança e de Avril ... Vocês vão ficar no camarote.
–Você sabe que por mim tudo bem, mas e Avril?...Acho difícil que ela ...
“-Desculpe-me...bieber ... mas, eu não tenho medo de nada e nem de ninguém.” –lembrei-me imediatamente do que ela dissera antes de sair do escritório. –Deixe Avril por minha conta –disse apenas e, me virando em direção ao meu quarto, deixei Jasmine sozinha no corredor.
Tomei um banho mesmo contra a vontade, pois o cheiro de Avril, cheiro maravilhoso de fêmea, estava impregnado em meu corpo. Desci e quando abri a porta do escritório dei de cara com James sentado no sofá. Assim que eu entrei, ele levantou-se –Err...Queria falar comigo, chefe?
–Queria não...Quero. –disse, passando por ele. –Vou ser bem claro em minha pergunta, James –apoiei as mãos na mesa e inclinei meu corpo para frente, olhando diretamente em seu olhos –De onde você conhece a minha namorada?
–Err...
–Sem gaguejar –gritei.
–Da Scorpions.
–Da Scorpions?! –perguntei furioso –Ela estava na Scorpions? ...Ela estava com quem? –ao mesmo tempo em que ia perguntando, ia também alterando a voz .
–Bom... ela estava com os amigos dela, Caitlin e logan, que também é meu conhecido e me apresentou à elas –James deu um suspiro –Bieber... se você está querendo saber se nós ...hã...se nós...
–Quero saber sim. –disse sem paciência –Quero saber tudo, mas principalmente se vocês transaram.
–De maneira alguma Bieber.
Com o olhar sempre fixo no dele, dei a volta na mesa ficando de frente à ele –Preste bem atenção –coloquei o dedo indicador em seu nariz –vou te dar um aviso importante, –disse com voz aparentemente controlada –se você quiser continuar vivo... nunca mais, eu repito nunca mais olhe para minha namorada. Porque do contrário, eu irei ao inferno para te matar. –fiz uma pausa –Fui claro?
–Sim, senhor.
–Pode ir.
Após James se retirar, sentei-me na cadeira, jogando o peso de meu corpo em seu encosto. Esfreguei meu rosto com as mãos “-Ela é minha” –então lembrei-me da forma como ela estava entregue “ –... somente minha.”
Uma leve batida na porta, me despertou de meus pensamentos –Boa tarde, bieber. –Jasper cumprimentou, entrando na sala. –Aqui estão os homens que você pediu.
Após fitar aqueles brutamontes por um momento, levantei e me aproximei deles –Vocês dois –apontei para Marshal e Werner –... já me conhecem. –virei para o rapaz moreno –Mas você, Sam Ulley –franzi a testa –esse é o seu nome não é? –sem esperar por resposta, olhei para o rapaz de olhos verdes –e você Emmet MacCarthy, não me conhecem. –comecei a caminhar de um lado para o outro –Vou preciso do serviço de todos vocês essa noite... Serão seguranças de minha irmã e minha namorada, juntamente com a amiga dela e para tanto, cada um usará um ponto de comunicação. Então... é bom que algumas coisas fiquem bem claras antes de tudo. –parei de andar e olhei para os dois novatos –Jamais... Prestem bem atenção, jamais olhem para elas com alguma intenção. –sentei novamente na minha cadeira –Hale dê as coordenadas à eles e depois volte que eu quero conversar com você ... estão dispensados.
–Sim, senhor. –responderam em conjunto.
–MacCarthy. –chamei, lembrando-me que precisava conversar com ele –Você fica.
–Sente-se. –ordenei, assim que todos saíram –Você, além de segurança, será meu detetive particular.
Ele deu um sorriso e duas covinhas se formaram em seu rosto –Sim, chefe...Quem devo investigar?
–Minha namorada ...Avril Lavigne.
Ele arqueou as sobrancelhas –Mas...
Não gostava de me expor aos meus empregados –Não tem mas nem meio mas, -encarei-o de frente –faça o que eu to mandando. Hoje á noite você a conhecerá e a partir de amanhã começará suas investigações... Descubra tudo sobre ela.
–Ok, chefe. Pode deixar comigo.
–Pode ir agora. –não sabia explicar mas, aquele rapaz me inspirava confiança.
Algum tempo se passou e quando já ia saindo, Jasper entrou –Desculpe a demore chefe,... mas estava resolvendo algumas pendências –fez uma pausa –Você quer falar comigo?
Dei um suspiro e olhei sério para ele –“ Desovaram” o corpo como mandei?
–Sim, bieber. Fizemos como você mandou. Mas... e quando derem pela falta dele? –Jasper fez a pergunta de maneira simples e direta –Desculpa chefe, mas temo pela vida de nossos inocentes.
Levantei-me, franzindo a testa –Nossos inocentes?! ...Você quer dizer Jasmine?
–Jasmine... amigas dela... sua namorada...
Senti meu corpo gelar e cenas de um passado em que fui expectador da morte de meus próprios pais voltaram com força à minha mente. Desabei na cadeira, com os olhos fixos em Jasper –Hale –disse depois de algum tempo –reforçe  a segurança em torno delas ...não as deixe sozinhas por um minuto sequer.
–Ok...Mais alguma coisa?
–Por enquanto não...pode ir agora.
************************************************************
Avril entrou em casa ainda não acreditando no que James dissera –Boa tarde, Aydee! –cumprimentou a governanta –Minha mãe está no quarto?
–Sim, senhorita. –a senhora respondeu.
–E Caitlin?
–Está no seu quarto.
–Prepare um lanche, Aydee. –pediu, subindo as escadas –Só vou tomar um banho e já, já descemos.
Já no corredor, parou diante do quarto de Renné e num impulso, abriu-o e entrou. Seus olhos demoraram um pouco para se acostumarem com a semi escuridão do quarto e então numa rápida procura viu sua mãe deitada, ainda dormindo.
Aproximou-se lentamente e o forte odor de álcool denunciava Renné, que mais uma vez se entregara às bebidas.
Avril passou a mão delicadamente na face emagrecida da mãe –Reaja mãe –sussurrou -... não faça isso consigo mesma.
A respiração pesada de Renné alterou-se –Avril –murmurou com voz arrastada, mudando de posição –Avril ... ssseu pai... –e voltou ao sono pesado.
Avril revoltou-se mais uma vez com seu pai, culpando-o por sua mãe ter se tornado uma alcoólatra. E então retirou-se do quarto, prometendo a si mesma que teria uma conversa séria com Charlie.
–Demorou flor, estava conversando com James? –Caitlin, que estava pintando suas unhas, perguntou assim que a amiga entrou no quarto.
Ainda revoltada com a cena triste que acabara de presenciar, Avril sentou-se na cama ao seu lado –Estava. –respondeu e deitou-se –Acho que arrumei uma encrenca.
–Por que você diz isso? –Avril perguntou depois de encará-la por um tempo e Avril contou com detalhes a conversa que tivera com James. -Concordo contigo Avril Lavigne, você realmente arrumou uma encrenca... E das grandes. –deu um grande suspiro e fitou a amiga –Avril, você precisa de um banho urgente...Está fedendo a sexo, a porra.
–É mesmo. –concordou, pulando da cama. Enquanto se dirigia ao banheiro, ia tirando o vestido –Vou tomar uma ducha rápida e então descemos para tomarmos um lanche.
–Ok, mas eu ainda quero saber com detalhes o que rolou naquele escritório, viu?
–Nem te conto Cait, nem te conto. –Avril gritou do banheiro e ambas gargalharam.
************************************************************
21:45 PM
PDV AVRIL
–Anda logo, flor! –Caitlin berrou –Estamos atrasadas... James já deve estar chegando.
–Calma, já to indo. –dei uma última verificada no espelho e gostei do resultado. O vestido justo e muito revelador, acentuava bem minhas formas. As meias pretas presas à cinta-liga combinavam com as botas da mesma cor e que vinham até às minhas coxas. Para complementar, além da minúscula lingerie, prendi os cabelos num coque frouxo e fiz uma maquiagem não muito pesada. –bieber –sussurrei, colocando o dedo indicador na boca -...hoje você vai conhecer o diabo em pessoa.
–Avril! -Caitlin gritou, olhando na janela –James acabou de cheg...
–Como estou? –perguntei, dando uma volta. –Será que consigo provocar a fera?
–Avril...como você está? –Caitlin repetiu a pergunta com os olhos arregalados –Você está ...a tentação em pessoa. E não vai provocar só a fera, aliás, a fera vai ficar possessa ao te ver vestida assim.
Gargalhei com esse comentário. –E você hein?! Está divina com esse modelito –Caitlin vestia uma mini saia jeans toda desfiada, botas pretas de cano alto e um minúsculo top preto -...hoje você não sai daquele show, sem um gato ao seu lado, babando por você.
–Estou bonita mesmo? –perguntou, dando uma volta.
–Gatona, Cait.
–Ótimo. –sorriu e pegou minha mão –Agora vamos que James está à nossa espera.
Descemos e quando abrimos a porta, vimos que ele estava do lado de fora encostado no carro, de costas para nós. Estava tão distraído que não nos viu chegar –Desculpem, não vi que... –virou-se para nós, ficando mudo de repente.
–James –Caitlin chamou, estralando os dedos –Estamos atrasadas... Podemos entrar?
–Ah, sim. –respondeu, voltando do repentino transe –Desculpem-me mais uma vez. –pediu, dando a volta para abrir a porta.
Antes de entrar porém, Caitlin virou-se para ele –James... Avril está de matar não é?
–Sim. –respondeu sem jeito. –Está...linda.
Chegamos à casa de Jasmine super atrasadas, encontrando a mesmo já na garagem. Ela estava linda, com um short preto e uma cavadíssima e transparente regata branca. Por baixo e totalmente à mostra, um top preto.
–Olá meninas –cumprimentou ao entrar na Mercedes –Ai Avril...Estava achando que vocês não vinham mais. –ela disse, sentando-se entre nós.
–Se dependesse dela, a gente não vinha mesmo. –disse A Caitlin num tom debochado, enquanto já atravessávamos o portão –Demorou quase duas horas para ficar pronta.
–Deixe de ser mentirosa,Caitlin. –disse, acertando-lhe um tapa de leve no braço. –Não demorei tanto assim.
Jasmine olhou pra mim e sorriu –Caitlin... Mesmo que tenha demorado esse tempo todo, valeu a pena. –fez uma pausa –Você está...demais. Quando meu irmão te ver, vai surtar.
–Bom... essa não é a minha intenção, mas adoraria vê-lo com ciúmes.
Jasmine ficou parada  na hora –Avril... quer um conselho de irmã? –arqueei uma sobrancelha –Nunca tente provocar ciúmes em Justin.
Nunca gostei que me ditassem regras –Posso saber por quê?
–Hoje você vai saber o por que. –e com essa resposta evasiva, seguimos o resto do trajeto em silêncio.



nossa amei os cometários obrigado amo vocês

continua com 5 comentários 

6 comentários:

thays bieber lavigne disse...

continua logo,to amando mesmo.muito bom. ;)

thays bieber lavigne disse...

primeira kkkkkkkkkkkkk

ellen disse...

continua

Caah disse...

Eu Amei, até imagino o a roupa de arrasar dela hahaha
continuabbeijoos

Rebeca disse...

obrigado linda o vestido foi de arrasar

Rebeca disse...

que bom que você está gostado