18 março 2013

capitulo 8

                                                                 



PDV AVRIL
-Cait?!... Tudo bem?
–Oi, Flor! –Caitlin cumprimentou-me com voz arrastada e bocejou em seguida –Tudo bem e você?
–Mais ou menos -calei-me por um momento -... Você pode me levar no... P.S.?
–O que aconteceu? –perguntou agora mais desperta –Onde você está?
–To em c...
–Você se acidentou?... Espera, cadê o bieber? –disparou a perguntar –Ah meu Deus, já sei... Foi uma emboscada. Mataram o bieber e você está toda mac...
–CARALHO... CALA A BOCA E ME DEIXE EXPLICAR! -gritei -Eu não to toda machucada e  Bieber não está morto. -"-Graças á Deus!"
Um breve silêncio se fez –Ok. –Cait concordou.
Dei um longo suspiro -Bom... Eu dei um murro na cara de um... Hã... Segurança do Bieber.
–Você o quê?
–Eu esmurrei a cara de um segurança do Bieber..Você vai ou não me levar no P.S? -fiz uma careta enquanto olhava a mão inchada -Porra Caitlin, tá doendo pra cacete.
–É lógico que eu vou te levar, Flor. Você está em casa?
–Uhum.
–Tá... Então já to saindo.
–Ok... To esperando. -joguei o celular em cima da escrivaninha e comecei a me vestir -Porra! -exclamei ao ouvir o aparelho tocar -Pronto. -disse sem ao menos consultar o visor.
–Boa tarde, amor!
–C-chace ?!
–Como foi o show?
–Err... Bom, muito bom... Ótimo!
–Então você se divertiu, isso é bom! –fez uma breve pausa -Mas mudando de assunto, Jared e Lauren nos convidaram para uma reunião na casa deles... Que tal?
–Sinto muito, mas não vou poder ir. Estou com a mão machucada.
–O que aconteceu? –sua voz tornou-se preocupada.
–É que eu –"-Pense rápido, Avril."–... Eu s-soquei a cara de uma garota. É isso... Eu soquei a cara de uma garota.
Um pesado silêncio se fez do outro lado da linha –A troco de que você fez isso?
"-Cacete! E agora?" –Bom, eu... ela, hã -sentei-me na cama, com a mão na cabeça -... Ela falou na minha cara que... você era gostoso. -completei, colocando a língua para fora numa careta.
Novamente o silêncio –Não precisava fazer isso. Sabe muito que eu só tenho olhos para você. –o tom de sua voz era um misto de repreensão e convencimento–Avris... Precisa controlar esse seu gênio, afinal você é namorada de um futuro advogado.
–Humph! -resmunguei, rolando os olhos -Vou tentar me controlar de agora em diante.
–Tá, então... Posso ir sozinho?
–Ah chace , claro que pode. "-Eu não tenho ciúmes de você!"–gritei em pensamento.
–Ok! Passo aí depois, tipo ás cinco da tarde.
–Tudo bem.
–Beijos, te amo.
–Beijos. -disse apenas, jogando o celular para o lado e deitando-se na cama. "-Humph! Tá se achando."–cerrei os olhos por um momento e a lembrança de Justin, de seu corpo escultural deitado de bruços sobre a cama me veio à mente. Uma pontada de arrependimento apoderou-se de meu peito "-E se eu tivesse aceitado sua proposta?"
Uma suave batida na porta tirou-me de meus devaneios -Menina Avril?!
–Pode entrar.
Aydee abriu a porta -A Srta beadles chegou.
Levantei-me num salto -Diga à ela que já vou descer. -disse, colocando um vestido vermelho que estava pendurado na cadeira -Aydee... Minha mãe está em casa?
–Sim, está no jardim.
–E meu pai?
–Foi ao clube.
"-Tudo bem Sr. lavigne, a noite o senhor não me escapa."
PDV CAITLIN
Apesar de conviver com Avril desde criancinha e conhecer muito bem seu gênio temperamental, custava-me a acreditar que ela tivera força suficiente para bater em um homem -Mas por qual motivo? -me perguntei, enquanto adentrava o portão de sua casa.
–Boa tarde, Srta beadles!
–Boa tarde, Aydee! -cumprimentei a governanta -Err... A Avril está?
–Está sim. -respondeu com seu sotaque bem arrastado -Por favor, entre. -fez um sinal com a mão -Sinta-se a vontade... Eu irei chamá-la.
–Ok. -sorri, sentando-me no sofá.
Alguns minutos se passaram sem que Avril aparecesse, então resolvi ir ao jardim.
–Olá, Caitlin!
Virei-me em direção à voz -Olá, dona Renné! -cumprimentei-me sorrindo -Como a senhora está?
–Estou ótima! -apontou para a cadeira ao seu lado -Sente-se... Aceita um chá gelado?
Fitei-a por um momento. Apesar das olheiras profundas indicarem uma noite mal dormida, sua aparência estava... boa -Aceito sim. -respondi, sentando-me ao seu lado.
Ficamos conversando por um tempo, enquanto bebericávamos nosso chá -Cait -Avril estava parada atrás de nós, com a mão direita no bolso de seu vestido -... Podemos ir. -aproximou-se de dona Renné e com a outra mão, afagou-lhe a vasta cabeleira castanha -Mãezinha -beijou-lhe o topo da cabeça -... Caitlin e eu iremos na casa de uma amiga nossa... A Samantha. Eu volto logo, ok?
–Ok.
Já a muitos anos que dona Renné vem lutando contra o alcoolismo e uma depressão profunda causada segundo Avril, por seu pai, o Sr. Lavigne. Desde então, ela tem dedicado à mãe todo o seu carinho e atenção.
–Flor -olhei para a mão dela que se encontrada bem azulada -... Á troco de que você esmurrou o segurança?
–Porque ele não abria o portão para eu sair e -Avril deu um longo suspiro, voltando o olhar para a paisagem lá fora -... Por fim, duvidou do que eu seria capaz.
–Então -disse, reduzindo a marcha, para adentrar o hospital -... Você resolveu por em prática o que aprendeu nas suas aulas de defesa pessoal. -Avril me fuzilou com o olhar e eu caí na gargalhada -Não acredito que eu perdi essa cena!
************************************************************
"...Pattie abriu a porta do guarda roupa e colocou-o lá dentro -Schhh! -sussurrou, colocando o dedo indicador nos próprios lábios -Meu filho, preste bem atenção: Aconteça o que acontecer, não saia daqui de dentro!
–Mas, mãe...
–Prometa, meu filho. -pattie  pediu, beijando-lhe os cabelos loiros. De seus olhos castanhos , caíam grossas lágrimas -A-Apenas prometa.
–Prometo. -ele murmurou e então pattie fechou a porta, deixando-o encolhido na escuridão do guarda roupa quebrada apenas pela parca luz do abajur que entrava por algumas frestas.
Alguns minutos se passaram e um grito de horror ecoou no andar inferior. Justin levantou-se com o coração disparado, reconhecendo a voz de sua mãe. Mais alguns minutos e o barulho da porta sendo aberta com violência juntamente com pedidos de clemência, instigou-o a olhar por entre as frestas. Então a cena que ficaria gravada pelo de sua vida se sucedeu.
Escondido no guarda roupa de seus pais e em estado de choque o pequeno Justin, com apenas sete anos de idade, assistiu ao assassinato de seus pais, que mais tarde descobriu ser queima de arquivo...”
–MÃAE! -Justin gritou e, quando se deu conta já se encontrava sentado na beira de sua cama, tremendo e suando frio.
Pegou seu celular que tocava insistente em cima do criado mudo e consultou o visor -Fala, Emmet!
–Chefe, eu segui Avril como o senhor me mandou. Ela tá no P.S.... No mesmo em que Trevor está.
–O que aconteceu?
–Eu procurei saber com a enfermeira de plantão, uma "loiraça" gostosa pra caramba e... Pelo que parece, ela teve apenas uma luxação na mão direita devido ao "cruzado" que ela deu no Trevor. –Emmet soltou gargalhada –Que garota o senhor arrumou, hein chefinho? –um enorme silêncio se fez –Chefe?!
–Emmet... Que idade você tem?
–Vinte e três, senhor. Por quê?
Justin rolou os olhos -Por nada Emmet, por nada. Continue seu trabalho e... Tente se aproximar dela, ok?
–Ok, Bi...
–Emm?! – a voz de Avril soou baixo, mas alto o suficiente para que Justin soubesse que ela tinha encontrado-o –O que você tá fazendo aqui?
–A-Até mais, ch... To... Então.–Emmet desligou o celular e lançou um sorriso pra lá de amarelo para Caitlin e Avril, que tinha a mão direita enfaixada e o braço em uma tipoia -Olá, garotas!
–Olá, Emm! Catlin respondeu, sorridente.
–Eu vim visitar o Trevor, avrizinha. -coçou a cabeça -Acho que agora nem Deus salva aquela cara de mamão murcho dele. -olhou para a mão dela -E a sua mão?
–Não foi nada demais, apenas uma luxação.
–Ah, tá. -de repente uma ideia passou pela sua cabeça -Bom, vocês... Têm algum compromisso pra mais tarde?
No mesmo instante, Avril lembrou que dependendo do horário não poderia sair pois, queria ficar um pouco com a mãe e também porque queria ter uma conversa séria com o pai -Mais tarde, que horas?
–Tipo... Nove horas.
–E onde iremos? -Caitlin perguntou interessada -Alguém mais vai junto?
–Bom, hoje é minha folga e eu não quero ficar sozinho... É que acabei de levar um fora da minha garota. Então...
Avril sacudiu a cabeça, sorrindo -Conta outra que essa não colou.
"-Porra e agora?"–Ok, ok. Hoje é minha folga e eu quero tomar um chopp. Aí pensei... Se eu aparecer com duas tremendas gatas na chopperia do... -as duas caíram na gargalhada -O que foi?
–Emmet, não fale mais nada que vai ficar pior. Faça o seguinte: -Avril colocou a mão em seu ombro -Nos espere ás nove e meia na chopperia. De lá, a gente vai para a Scorpions dançar um pouco, ok?
Emmet deu um largo sorriso -Ok!
–Então fica assim -Avril ficou na ponta dos pés e deu um beijo na bochecha dele -Até mais!
–Até!
Quando as duas já estavam na portaria, Caitlin parou de repente e voltou -Emm -agarrou-o pelo braço -... Alguém mais vai junto?
–Não, acho que não. -notando o semblante de Caitlin murchar, seus olhos verdes brilharam qual os de uma criança travessa -Mas se você quiser, eu convido um amigo meu.
–Qual a-amigo seu?
–Hum, deixe-me ver -fitou o teto com expressão pensativa -... Que tal o Hale?
–Ahh! Isso, isso! -Caitlin saltitou, batendo palmas -A gente se vê mais tarde, combinado?
–Combinado!
PDV JUSTIN
–Bieber, Sr. Jones acabou de chegar. -Hale anunciou, após bater na porta do escritório -Posso mandá-lo entrar?
Com apenas um sinal com a mão autorizei a entrada do homem anunciado, pois estava muito ocupado examinando e assinando o contrato de compra e venda de uma ilha no Atlântico que havia visto em uma de minhas viagens à Bolívia e à Colômbia. Tinha esperança de um dia levar Avril  para passarmos um tempo sozinhos e quem sabe, se ela gostasse, daria-lhe a ilha de presente.
Minha imaginação libertina criou vida e por um momento me vi comendo-a de quatro nas areias brancas à beira mar "-Não! Definitivamente o sol escaldante faria um estrago naquela pele de marfim." –larguei minha caneta de ouro em cima da mesa "-Faríamos amor bem gostoso na cama, no banheiro, na sala... Em todos os cômodos daquela casa, protegidos do sol."
O barulho da porta se abrindo me tirou dos meus devaneios. Um velho calvo e baixo adentrou o escritório seguido de dois dos meus seguranças que logo se postaram ao meu lado. Ele tinha cabelos grisalhos que eram cortados bem rentes ao couro cabeludo e seus óculos possuíam lentes grossas e bifocais, os quais ele tirou para secar o suor que escorria em bicas pela sua testa. "-Está com medo."–Boa tarde, Justin Bieber! -cumprimentou, esticando-me a mão rechonchuda. Tal movimento fez com que um grosso anel de rubi reluzisse em seu anelar. "-Almofadinha!"
–Boa tarde... Sr. Jones. -apertei-lhe a mão e em seguida indiquei-lhe a cadeira -Sente-se, por favor.
–Obrigado, meu rapaz!
–Que bons ventos o trazem de volta. -disse logo após sentar-me também. Apoiei meus cotovelos no tampo da mesa e lancei-lhe um meio sorriso -Vejo que o seu patrão aceitou minha contraproposta.
–Err -o velho ajeitou os óculos com a ponta do indicador e novamente de sua testa, o suor começou a brotar -... Como braço direito do meu patrão, vim em nome dele... Aceitar e fechar negócio com você, Bieber.
–Braço direito?! -soltei uma sonora risada "-Essa foi boa!" –Não sabia que testas de ferro agora têm outro nome. -recostei-me em minha cadeira -Acho que preciso me atualizar -olhei diretamente nos olhos verdes do homem à minha frente, quem me conhecia sabia que eu não gostava de ser chamado pelo meu sobrenome -... à propósito: Acho que podemos nos tratar apenas pelo primeiro nome já que vamos fechar negócio, não é mesmo Phill?
–S-Sim, claro que sim... Bieber. -Phill abriu a maleta de couro que estava sobre suas pernas, colocando a mão direita lá dentro. Imediatamente os seguranças empunharam as pistolas em direção à sua cabeça -Hey, c-calma -pediu arregalando os olhos, enquanto tiravam duas folhas de dentro da maleta -Isto aqui... Bieber -esticou o braço -... são os contratos que devemos assinar, finalizando o negócio.
Os seguranças continuavam com as pistolas apontadas em direção à cabeça de Phill, quando eu peguei as folhas de sua mão trêmula. Examinei por alto, realmente eram apenas contratos. "-Tá pensando que eu sou algum otário?" –rasguei as folhas e levantei. Por cima da mesa, catei-o pelo colarinho, fazendo-o ficar à centímetros do meu nariz -Como acha que eu cheguei aqui? Assinando contratos de merda com imbecis feito você? -coloquei o indicador na sua testa, que estava lavada de suor -Coloque uma coisa nessa sua cabeça de asno de uma vez por todas: Eu nasci dentro do narcotráfico, tenho vinte e cinco anos... Todos dedicados diretamente à ele. Portanto, já sou bem rodado... Eu não nasci ontem. -soltei seu colarinho, fazendo-o cair estrondosamente na cadeira -Nós não precisamos assinar nenhum contrato, porque tudo o que está sendo tratado aqui será selado com sua vida. -endireitei as costas e respirei fundo -Agora, quanto ao nosso negócio... Diga ao seu patrão Charlie Lavigne, que eu só fecharei o negócio mediante a suailustre...presença.
–C-Como você sabe o n-nome do meu patrão?
Rolei os olhos, sem paciência -Você acha que iria fazer negócio com um bosta sem antes averiguar quem era o mandante? -fiz sinal com a mão -Vamos... Levante-se e dê o fora daqui.
–S-Sim, Tony.
–Só mais uma coisa, Phill -disse e ele virou-se em direção, com a mão no trinco da porta -... Não se esqueça que tudo o que foi tratado aqui foi selado com a sua vida. Então espero encontrar Charlie lavigne, amanhã ás oito horas em um dos meus depósitos. Não se preocupe... Meus homens irão buscá-los naquela empresa de fachada, a lavigne Company.
–T-Tudo bem, Tony.

continuo com 3 comentários gente por favor comentem eu sei que tem muitas pessoas lendo e não comentando eu estou quase desistindo da ib quem lé esse capitulo comente



12 março 2013

criminoso sedutor capitulo 7


PDV JUSTIN



Suspirei fundo, beijando-lhe o ombro mais uma vez. Eu sabia que a resposta dada por  Avril não poderia ser levada à sério pois ela estava dormindo, Mas sem saber explicar o por quê, me senti leve, tranquilo e foi me sentindo assim que me aconcheguei mais ao seu corpo, abraçando-a pela cintura "-Minha!"–aspirei mais uma vez o perfume de seus cabelos e pouco tempo, como há muito tempo não acontecia, caí num sono profundo e sem os terríveis pesadelos no qual eu sempre presenciava o assassinato de meus pais.***********************************************************************************************LOS ANGELES -SÁBADO, 18/07/2.01012:34 pm

–Avril? -chamou ainda grogue de sono, sentando-se na cama. Quando a realidade se fez em sua mente, levantou-se num salto indo direto ao banheiro, encontrando-o vazio "-Caralho! " –praguejou intimamente.Justin virou-se lentamente e com os olhos fechados, tateou os lençóis á procura de Avril -Justin! -Jasmine o chamou batendo na porta.–Justin! -mais batidas na porta.–Entre Jasmine. -ordenou e recostando-se na parede, foi deslizando até sentar-se no chão.–Justin -ela entrou toda esbaforida, vestindo apenas sua camisola de algodão -... Jasper precisa falar com você. -olhou a cama vazia -Bom... hã... Já deve saber sobre o que, né?Ele passou a mão pelos cabelos rebeldes -Como ela passou pela segurança? -fixou o olhar na irmã que tinha sentado ao seu lado -Cadê o Hale?–No escritório. -Jasmine sacudiu a cabeça -Por que você não vai atrás dela? -fez uma pausa -Olha... Ela está a pé... Não deve estar muito longe.–Não. -respondeu categórico.–Por que não?–PORRA, JASMINE -Justin ficou de pé e encarou a irmã com as feições transtornadas -...Eu disse à ela que se ficasse comigo, teria tudo -levantou as mãos no ar -... Mas ela foi embora. -desviou o olhar para a porta de vidro da sacada, não querendo que ela visse o que lhe ia na alma -O que eu faço? -puxou o ar com força e passou a mão nos cabelos, bagunçando-os mais ainda -...O que eu preciso fazer para... Para tê-la em minha vida? -terminou por fim, fazendo à irmã a mesma pergunta que fizera à Avril mais cedo.Jasmine olhou para o irmão estupefata. Nunca o vira naquele estado, nunca ele fizera perguntas desse gênero à ninguém aliás, Justin nunca tivera dificuldades em conseguir coisa nenhuma, principalmente mulheres -Bom -ela limpou a garganta, levantando-se e caminhando em sua direção -... Hã "-O que eu falo agora?" se perguntou, pois conhecia bem o irmão e por isso temia sua reação. Puxou o ar, tomando coragem -... Pra começar -tomou-lhe o rosto entre as mãos, a fim de que se olhassem nos olhos -... Mande MacCarthy ir atrás dela...–Ela não vai voltar...–Schhh -jasmine colocou o dedo indicador nos lábios do irmão -... Quem disse que é pra trazê-la de volta? -justin olhou-a confuso -Ahh meu irmão, você está tão acostumado a ter tudo o que quer... Mande MacCarthy ir atrás dela e levá-la até em casa. -suspirando fundo, Justin desvencilhou-se da irmão e saiu ás pressas do quarto.–Hale, mande Emmet atrás de Avril -ordenou, assim que entrou no escritório.–Ok, Bieber -o segurança concordou, levantando-se na cadeira -... Mas já adianto que será preciso pelo menos mais um para conseguir trazê-la de volta -olhou para Justin -... Desculpe chefe, mas aquela garota é do cão... Ela conseguiu machucar o rosto de Trevor de uma certa forma que ele foi parar no P.S."-Bieber -Avril disse contra a sua boca -... Estou com um problema -feito uma gata no cio, se esfregou nele -... Que só você pode resolver."–por um breve instante o pensamento de Justin voltou à noite passada e então ele deu um meio sorriso "-Você tem razão, ela é do cão... E o cão sou eu." –Não é pra trazê-la de volta -recostou na cadeira, fitando o empregado -... É pra levá-la até sua casa.–Sim, Avril. -Jasper simplesmente respondeu, porém não acreditando no que acabara de ouvir.–Mais uma coisa Hale -fez uma pausa -... Á partir de hoje, treine melhor esses seus homens. -soltou uma gargalhada -Ah... Depois que Emmet voltar, mande-o vir até aqui.Logo após a saída do segurança, Justin apoiou os cotovelos na mesa e, fechando os olhos, esfregou o rosto com as mãos "-Espero que você esteja certa, Jasmine."O barulho da porta se abrindo, despertou-o de seus pensamentos -Que foi Jas? -perguntou ainda com os olhos fechados.–Eu ainda não terminei o que tinha pra falar.Justin abriu os olhos e fitou a irmã com ar debochado -Então sente-se -apontou para a cadeira -... E termine de falar.Jasmine rolou os olhos -Não preciso sentar.–Ok -ele recostou-se na cadeira e cruzou os braços -... Sou todo ouvidos.Ficaram se encarando por um momento -Esqueça, -Jasmine sacudiu a cabeça e virou-se -... Era apenas uma bobagem. -concluiu, já abrindo a porta na intenção de sair.–Espere! -Justin levantou-se indo ao seu encontro -O que você tem pra me falar?–Nada demais.–É sobre Avril, -pegou-a pelo braço -... Eu sei que é.–É SOBRE AVRIL SIM! -Jasmine gritou e desvencilhando-se dele, pôs-se andar pelo escritório -Você quer mesmo saber o que precisa fazer para tê-la em sua vida?Justin ficou em silêncio por algum tempo, fitando o carpete cinza de seu escritório -Quero. -sussurrou baixinho.–Primeiro: Você não pode tratá-la como se ela fosse sua propriedade, como se ela fosse sua namorada... Porque ela ainda não é. -Jasmine se aproximou do irmão -Segundo, porém mais importante do que tudo que já falei: - colocou o dedo indicador em seu peito -... Admita pra si mesmo que está apaixonado por ela.

PDV AVRIL"-O que eu preciso fazer para te ter em minha vida?" –a voz de Justin soou distante.Arregalei os olhos e tentei me levantar mas um braço forte em minha cintura me impediu. Era o braço de Justin. "-Foi apenas um sonho, Avril."–suspirei, passando a mão pelo rosto "-Apenas um sonho."–então para não acordá-lo, me desvencilhei lentamente dos braços dele e me dirigi ao banheiro, pois precisava de um banho com a máxima urgência.Algum tempo embaixo do chuveiro com os olhos fechados e a água morna e revigorante correndo pelo meu corpo e algumas passagens da noite anterior se reavivaram em minha memória "-Eu também sou todo seu." –a última frase dita por Justin antes de eu cair no sono voltou á minha mente."-Preciso sair daqui." –desliguei o chuveiro e saí do box encontrando uma toalha preta e outra branca impecavelmente dobradas sobre a bancada de granito da pia.Me enrolei em uma delas e saí do banheiro á procura do minhas roupas "-Merda!"–praguejei mentalmente ao encontrar minha calcinha arrebentada do outro lado da cama.Me arrumei como pude e caminhei em direção à porta do quarto. Porém não consegui evitar e antes de abri-la, olhei para em Justin que dormia abraçado ao travesseiro. Meu olhos percorreram cada músculo de suas costas nuas, desde seus ombros largos com algumas sardas até o início de seu quadril coberto pela sua calça de moleton preta "-Sinto muito, mas não posso aceitar sua proposta."–suspirei, abrindo a porta "-Adeus, Bieber."–Sinto muito Sra. Lavigne, mas não tenho permissão para abrir o portão.Levantei o rosto e encarei o segurança de frente, fuzilando-o com o olhar "-Como ele ousava dizer aquilo?... Eu não era nenhuma prisioneira que tinha que ter permissão para sair." –Você vai abrir essa merda de portão sim. -disse entredentes.O idiota me olhou de cima em baixo e sorriu debochado -Por que eu deveria abrir?... O que a senhorita vai fazer?Enxerguei tudo vermelho á minha frente "-Ah, você quer saber o que sou capaz de fazer?" -sem pensar desferi-lhe um soco, fazendo-o desequilibra e cair sentado. Sem dar tempo para alguma reação por parte dele, chutei sua cabeça várias vezes. Com o rosto todo ensanguentado, o segurança acabou deitando no chão -Eu falei pra você abrir essa merda de portão -coloquei o salto da bota no pescoço dele, fazendo uma significativa pressão -... Mas acho que eu mesmo vou ter que abri-lo.Virei em direção à guarita e observei o painel de controle "-Cacete... Pra que tantos botões?... Ah, sabe o quê? Foda-se tudo!"–apertei todos os botões que vi naquele painel, acionando o alarme interno mas também abrindo o portão.Não tinha nem saído do bairro e já me sentia exausta -Perfeito, Avril Lavigne! -disse para mim mesma, enquanto sentava-me no meio fio da calçada -Andando a essa hora da tarde, vestida como uma puta amanhecida -comecei a tirar as botas -... Sem celular e com a mão arrebentada. -olhei para as costas de minha mão que além de toda esfolada, já apresentava um forte inchaço e um grande hematoma entre os nós dos dedos.Já ia retomando minha caminhada com as botas na minha esquerda, quando o barulho de um carro freando ao meu lado me chamou a atenção -Bom dia Sra... Avril! -Emmet me cumprimentou sorrindo, ao mesmo tempo em que tirava os óculos escuros -... Aceita uma carona?Cruzei os braços, arqueando uma sobrancelha -Foi ele quem mandou você vir atrás de mim?–Não... Claro que não. -respondeu de imediato -É que... Bom, eu tenho você como minha amiga e... Porra, não se deixa uma amiga andar a pé debaixo de um sol desses, não é? -piscou o olho -Aceita minha carona, vai.Pesei bem os efeitos do sol sobre minha pele e resolvi aceitar -Ok, você tem razão. -disse dando a volta no carro.**********************************************************************************************

PDV JUSTIN

 Consultei o relógio mais uma vez "-Puta merda... Que demora!"–me levantei e fiquei observando, pela parede de vidro, o oceano e suas ondas quebrando nas encostas.-Com licença, Bieber -Emmet já foi entrando -... Hale me disse que você quer falar comigo.–Quero... Sente-se. -sentei na minha cadeira e apontei a outra -Você levou-a para casa sem... Problema algum?Emmet abriu um sorriso -Levei a oncinha pra casa dela sem problema algum. -ele aproximou-se por cima da mesa -Eu disse que ela era minha amiga e que não poderia deixá-la torrar debaixo daquele sol, então...–Certo."-Parece que ele tem tato... Bom, ele é um ex detetive"–ficamos nos encarando por um tempo -Emmet -disse me levantando -... Vou fazer uma coisa com você, que eu nunca fiz com nenhum homem meu... Nem mesmo Hale.–O-O quê?Aproximei-me dele e com o dedo indicador em seu peito, o empurrei até vê-lo encostado contra o encosto da cadeira -Vou depositar em você minha total confiança.–Como assim?–Emmet MacCarthy -sentei-me em cima da mesa -... A partir de hoje, além de ser meu detetive particular e meu segurança, você será amigo de Avril. -fiz uma pausa -Quero que você descubra tudo, eu disse tudo, sobre ela... Mas principalmente o que ela sente em relação à mim.






continua com 5 comentários amei os comentários muito obrigado 

11 março 2013

criminoso sedutor capitulo 6




O caminho até o quarto de Justin foi feito entre beijos, gemidos e muita esfregação -Acenda o abajur, neném. -pediu assim que abriu a porta.
Então sentou-se na enorme cama box com ela ainda em seu colo. Terminou de tirar-lhe o vestido e suas mãos voltaram à sua cintura, ora pressionando-a contra a virilha, ora passeando pela sua bunda.
Avril tirou lentamente o soutien -São seus -sussurrou e colocando as mãos nas laterais, juntou-os numa espécie de oferenda -... Bieber.
Aquela atitude e o modo sensual com que Avril pronunciou seu apelido, aumentou mais ainda o tesão de Justin que olhava-os faminto "-Puta que pariu... Onde essa garota estava até agora?" –São meus? -gemeu, já massageando um de seus mamilos com uma mão, enquanto contornava com a língua o outro.
Avril arqueou o tronco -Seus... Bieber.
Não conseguindo mais se conter Justin tomou-lhe um dos seios entre os lábios, sugando-o com avidez. Avril Lavigne gemia e se contorcia rebolando contra a sua enorme ereção, tornando-a bem dolorida por ainda estar vestido.
Segurando-a pelas costas ele a deitou na cama e retirou vagarosamente cada uma de suas meias -Seu corpo foi feito para o pecado -disse, ficando de pé de frente para ela -... Para o meu pecado... Doçura. -concluiu, tirando a camiseta e desabotoando a calça.
Os olhos de Avril viajaram despudoradamente sem pressa pelos músculos desenvolvidos de seu tórax, passando para o abdômen branco e perfeitamente definido. A trilha de pêlos castanho claros e lisos foi tornando-se espesso logo abaixo do umbigo, aumentando assim o tesão dela que imediatamente ajoelhou-se à sua frente.
–Você quer chupar o meu pau, neném? -ele perguntou, abaixando a calça juntamente com a boxer preta. Ela arfou "-Como tudo isso coube dentro de mim?"O cheiro de Justin, um cheiro inebriante de macho invadiu o olfato de Avril que sentiu sua boca salivar -Quero. -respondeu sem titubear.
Um sorriso sacana brotou nos lábios de Justin -Vem cá -sussurrou, massageando lentamente o membro -...É todo seu, minha linda.
Ele cessou os movimentos assim que ela aproximou-se, e então, com a mão na base do membro, deixou sua glande exposta. Avril passou a ponta da língua com vontade no líquido seminal que escorria em abundância -Humm -sussurrou baixinho, mas audível o suficiente para ele escutar -...Delicioso -concluiu, enfiando o pênis todo na boca de uma vez.
Justin soltou um gemido alto -Ahhh... Isso minha puta -pendeu a cabeça para trás em puro êxtase -... Que boquinha gostosa.
Nunca em todo tempo de namoro com Jacob, Avril fora chamada de puta por ele durante uma transa e agora com Justin estava sendo diferente, ele era pura obscenidade, puro sexo selvagem.
Extremamente excitada pelos gemidos de Justin, Avril colocou seu membro até a garganta uma, duas, três vezes, sem nunca conseguir chegar até o final. A outra mão continuava a acariciar seus testículos.
Com a respiração descompassada e a feição transfigurada por um desejo praticamente primitivo, Justin agarrou-lhe os cabelos com uma mão para obter uma melhor visão -Assim -disse e com a outra segurou firme a cabeça de Avril, estocando-lhe -...Vou meter nessa sua boca - outra estocada -... E enchê-la de porra -soltou um gemido, estava se sentindo no limite -... Você quer, neném?
–Uhum. A resposta simples e objetiva enlouqueceu-o. Justin já tivera várias mulheres em sua cama, algumas bem experientes e outras nem tanto, mas nunca em todos os seus treze anos de vida libertina, devassa, sentira um desejo insano e possessivo por alguém como sentia por Avril desde o primeiro momento em que a vira.
–Continua neném -sussurrou rouco, sentindo o corpo vibrar -... Gostoso. -após algumas estocadas, Justin cerrou os olhos -Ahhh! -gemeu alto, enquanto espasmos violentos atravessavam seu corpo. Jatos abundantes de seu sêmen foram despejados na boca de Avril que os sorveu com uma luxúria alucinante.
Após alguns segundos, sentindo ainda alguns curtos espasmos pelo corpo, Justin abriu os olhos e fitou Avril sentada sobre as pernas. Seus olhos se perderam nos dela por um breve momento e então uma gota de sêmen que escorria no canto de sua boca chamou-lhe a atenção. Sem desviar o olhar do dele, Avril lambeu-a.
"-Tem tudo e todos em suas mãos... Inclusive eu." –Justin colocou a mão em sua nuca e sem gentileza alguma, puxou-a para cima. Com a outra ele tocou sua face, sua boca -Perfeita! -sussurrou para logo em seguida a beijar profundamente, sentindo nos próprios lábios o gosto de si mesmo. Mas isso pouco lhe incomodava, pois naquele momento ele descobriu estar rendido, preso aos desejos e caprichos daquela garota para sempre.
–Bieber -Avril disse contra a sua boca -... Estou com um problema -feito uma gata no cio, se esfregou nele -... Que só você pode resolver.
–Mesmo? -contornou com a língua o lóbulo de sua orelha, sentindo seu membro novamente ereto -Onde, neném? -perguntou próximo ao seu ouvido.
Avril pegou uma de suas mãos e a guiou vagarosamente pelo seu corpo -Aqui. -respondeu, colocando a mão dele dentro de sua lingerie.
–Porra -os dedos de Justin tocaram o sexo encharcado de Avril -... Assim você me enlouquece... Sua boceta tá toda meladinha -num rápido movimento, Justin arrebentou a calcinha e deitando-a de costas, puxou-a para a beira da cama -Avril... Seu cheiro é delicioso -abriu mais as pernas dela, colocando-as uma de cada lado -Fique assim, minha linda... Quero mamar gostoso nesse seu grelo. -concluiu, abocanhando esfomeado o clitóris inchado de Q Avril literalmente mamando-o, enquanto se masturbava com a outra mão.
Avril gemia e se contorcia de prazer com Justin penetrando-lhe com a língua, mas foi quando ele achou seu ponto G é que ela atingiu o ápice. Seu orgasmo chegou avassalador, deixando-a totalmente à mercê de sensações nunca antes experimentadas.
Após sorver com total luxúria até a última gota escorrida do sexo de Avril,justin a fitou sorrindo -Seu cheiro é delicioso, mas nada se compara ao seu gosto -levantou-se -...Simplesmente único. -disse, cobrindo-a com o próprio corpo.
Avril se arrastou para o centro da cama e num gesto espontâneo, separou as pernas para melhor acomodá-lo -Isso minha puta -Justin sussurrou, colocando a cabeça de seu pênis entre os grandes lábios -...Preciso foder essa xoxotinha gostosa -penetrou-lhe com certa violência -... e deixá-la marcada -passou as mãos por baixo de seus braços, prendendo-a pelos ombros -...para que filho da puta nenhum tome o que é meu.
Justin ergueu suas pernas, colocando-as apoiadas em seus ombros. Suas estocadas eram violentas, como se realmente ele quisesse marcá-la como sua.
Os gemidos e as frases desconexas proferidas por Avril faziam Justin se sentir cada vez mais enlouquecido de desejo -Você é minha? -perguntou, agarrando-lhe o queixo. Como Avril não respondeu, ele estocou fundo -Você é minha Avril? -perguntou novamente, com a voz rouca.
Avril já não conseguia mais se situar. Seu orgasmo estava próximo, fazendo-a se sentir em outra dimensão -Responde Avrl... Você é minha?
Mais umas estocadas e entre gemidos e sussurros, os dois juntos alcançaram o orgasmo de forma violenta, arrebatadora.
Depois de um tempo Justin jogou o corpo para o lado, trazendo Avril consigo. -Avril?! -disse, enquanto ela passava a perna por cima de sua virilha.
–Hum? -ela perguntou, deslizando a mão pelo abdômen em direção ao peito dele.
Justin suspirou com aquele simples toque -Eu também sou todo seu. -concluiu, beijando-lhe os cabelos.
PDV JUSTIN
Olhei para o relógio digital: três e quarenta e cinco da madrugada.
Fitei Avril adormecida abraçada ao meu travesseiro e meus olhos passearam lentamente por todo o seu corpo, desde suas pernas brancas e bem torneadas, até as costas cobertas apenas por algumas mechas de seu cabelo.
Sentindo um agradável fogo percorrer o meu corpo, levantei-me e vesti apenas uma calça de moleton preta. Antes de eu abrir a porta, ela virou-se -Bieber... -ela sussurrou completamente adormecida.
Passei a mão pelos cabelos "-Avril...Você já me tem em suas mãos. O que preciso fazer para te ter em minha vida?"
Soltando um pesado suspiro, abri a porta e saí, atravessando o corredor semi escuro a passos largos. Precisava sair de perto dela para conseguir pensar com clareza.
Ao chegar à sala de jantar, vi que a luz da cozinha estava acesa -Jas?!
–Aii que susto, Justin! -ela soltou um pequeno grito, quase deixando cair a jarra de água e o copo.
–Chegou agora? perguntei, pegando um copo.
–Já faz mais ou menos meia hora. -ela franziu a testa -Avril está aqui?
–Uhum -coloquei água no copo e tomei em um gole -... No meu quarto. -sem conseguir encará-la, sentei-me na bancada da pia.
–O que houve? -ela perguntou, colocando o copo sobre a mesa -Não era isso o que você queria?... Transar com Avril Lavigne?
–Jasmine -meus olhos continuaram fixos no piso de linóleo -...Como é estar... Apaixonado?
–Justin! -Jasmine reprimiu um sorriso, tocando meu braço com a mão -Você está apaixonado por ela?
–Não!
–O que tem demais em admitir que está apaixonado, Justin? -ela perguntou, me abraçando -É muito bom... A gente se sente feliz, completo ao lado da pessoa amada.
Me afastei bruscamente dela e esfreguei o rosto com as mãos -Merda, merda, merda! -xinguei, saindo da cozinha.
Voltei ao quarto e me deitei ao seu lado, abraçando-a pelas costas. Aspirei o perfume de seus cabelos -Neném -sussurrei, beijando-lhe o ombro -... O que eu preciso fazer para te ter em minha vida?
–Me ame. -disse com voz sonolenta.

–Sim -a resposta veio seguida de um gemido alto -...Sou sua Bieber... Toda sua.

continua com 3 comentários amei os comentários 

07 março 2013

criminoso sedutor capitulo 5-parte 2


–Bieber. –su10ssurrei, alucinada.
–Isso, minha gostosa... Geme o nome do seu macho. –disse, enfiando os dedos em mim e me massageando de forma delicada e ao mesmo tempo cheio de tesão. Senti minha excitação escorrer por entre seus dedos e então cerrei os olhos –Tão molhadinha... Tão pronta pra mim. –ele também gemia em meu ouvido. Senti um leve movimento por parte dele e o barulho do zíper de sua calça descendo –Sinta como você me deixa... O que você provoca em mim. –sussurrou, pegando minha mão e colocando-a em torno de seu membro que estava duro e encharcado pelo seu pré gozo.
… Cause the walls started shaking... Pois as paredes começaram a tremerThe earth was quakingA terra estava tremendoMy mind was achingMinha mente estava doendoAnd we were makin’ itE nós estávamos fazendo amorAnd you...E você...Shook me all night longMe sacudiu a noite inteiraYeah you, shook me all night longYeah,você me sacudiu a noite inteiraWalking double time on the seduction lineTrabalhando a passos rápidos na linha da seduçãoShe was of a kindEla era a únicaShe’s just mine all mine...Ela é só minha, toda minha ...–É isso o que você provoca em mim, Avril –sussurrou com a mão sobre a minha –...Tesão –com movimentos lentos e precisos, ele ditava o ritmo que minha mão devia tocá-lo e a cada toque, sentia seu líquido espalhar mais e mais sobre nossas peles –... Um puta tesão –colou sua testa à minha e apesar da semi escuridão, vi que seus olhos estavam fixos nos meus –...Uma vontade insana de foder –seus dedos movimentavam-se lenta e sensualmente em meu clitóris, parando toda vez que sentia meu orgasmo chegar –... Em todas as posições possíveis e impossíveis –cerrou os olhos, travando a mandíbula ao mesmo tempo em que segurava minha mão na base de seu membro –... Cada buraco, cada fenda de seu corpo. -fez uma breve pausa -Fica comigo, Avril... Só comigo. –sua boca se apossou da minha de forma dominadora e seus dedos me massageavam, enquanto sua outra mão sobre a minha tocava seu membro sem cessar, num ritmo alucinante. Então entre gemidos contidos pelo beijo avassalador nosso orgasmo chegou louco, arrebatador.
Com a boca colada à sua, eu gemia sentindo os espasmos percorrerem meu corpo ao mesmo tempo que seu sêmen escorria quente e abundante por entre nossas mãos.
***********************************************************************************************
Com a testa colada à de Avril, tanto Justin quanto ela própria estavam olhando à tudo ao redor.Dizem que os olhos de uma pessoa são o espelho de sua alma. No caso de Justin, o castanho  claríssimo de seus olhos dizia tudo o que vinha em seu coração: Desejo... Desejo de ter aquela garota em sua cama, em sua vida.
Avril tentou tirar a mão de seu membro que ainda estava ereto, mas foi impedida por ele que também continuava com a mão em seu sexo, acariciando-o lentamente.
–Jus...
–Bieber. -ele corrigiu, com os olhos sempre fixos nos dela.
–Err...B-Bieber -sussurrou, não sabendo o que falar e muito menos como agir naquele momento. Sentia-se presa àquele olhar penetrante -...Precisamos nos limpar. -disse apenas, tentando descer a perna e ficar ereta.
Ele impediu-a -Diga sim... Apenas um sim Avril e você terá o que quiser e quem quiser em suas mãos -disse e fez uma pausa -Diga sim. -concluiu com expressão séria no rosto másculo.
"-Porra... Como assim eu ter o que e quem quiser em minhas mãos?!"–a prosposta instigou Avril -Sim. -respondeu, um tanto curiosa.
Os movimentos dos dedos de Justin cessaram e então ele desceu a perna, colocando Avril em posição ereta enquanto retirava do bolso de sua jaqueta um lenço branco, o qual usou para limpar as mãos de ambos dos resquícios de seu sêmen.
–Hale?! -chamou o segurança sem se virar -... Avril e eu iremos embora -enlaçou Avril firmemente pela cintura, finalmente virando-se -... As meninas ficarão sob seus cuidados... Não me decepcione.
–Pode deixar comigo Bieber.
–Emmet -Justin fez um sinal com a mão -... Você e Ulley vão com a gente.
–Sim, chefe.
Após a saída dos seguranças com o chefe e Avril, Caitlin olhou para o amigo e piscou, fazendo um breve sinal com a cabeça em direção à Jasmine -É sua chance. -disse, apertando-lhe o braço -Aproveite -virou-se em direção à Jasper -...Que eu aproveitarei a minha. -completou com um largo sorriso nos lábios.
Sem perder tempo, Logan aproximou-se de Jasmine de modo casual -Tá gostando do show? -perguntou, perto de seu ouvido.
Um arrepio involuntário perapassou o corpo dela -M-Muito. -virou-se para ele,respondendo com um largo sorriso. "-Não se parece nada com o irmão."–os olhos de  Logan analisaram seu rosto delicado com traços orientais -E você?
–Também. -ficaram se encarando, até que ela baixou a cabeça -Prazer -ele esticou a mão -... Logan Lerman .
–Jasmine Villegas. -disse ela, apertando suavemente a mão dele.
Logan impediu-a de soltar sua mão e então entrelaçando-lhe os dedos, puxou-a a fim de que ficassem mais próximos. Passou sua mão livre em torno de sua cintura e com um breve movimento, virou-a de frente para o palco, ficando atrás dela -Jasmine -sussurrou em seu ouvido -... Você é a melhor coisa que está acontecendo nesse show!
–Srta.Villegas -o segurança aproximou-se dos dois -... Algum problema?
–N-Não, Marshal. -Jasmine respondeu, desvencilhando-se de Logan.
–Passe seu celular para Caitlin. -ele disse baixinho, antes dela se afastar por completo.
justin conduzia o Volvo em silêncio pelas ruas de Los Angeles. Tinha dado suas cartada e Avril tinha aceito, então tecnicamente ela tinha aceito ficar só com ele. Sorriu e colocando a mão sobre a dela, entrelaçou-lhe os dedos "-Só comigo."Assim que o portão eletrônico abriu, eles adentraram seguidos dos seguranças.
Abriu a porta do carro para que ela descesse -Avril... Você disse sim. - barrou-lhe a passagem.
Avril levantou a cabeça e o fitou. Ele tinha o semblante sério -Disse -concordou e arqueou uma sobrancelha -... Por quê?
"-Porra!"Justin suspirou pesado e suas mãos seguraram-lhe a cintura, "-Porque você não irá sair mais de minha vida."–Por nada -abraçou-a, beijando-lhe os cabelos.
PDV JUSTINEle foi aos poucos afrouxando o abraço até estar a uma certa distância de mim -Vem -sussurrou, roçando o polegar em meus lábios ao mesmo tempo em que me puxava para a porta -... Neném!
Nem bem chegamos à porta e ele virou-se para trás, me trazendo junto com ele. Sua boca se fundiu à minha em um beijo esfomeado e então meu corpo chocou-se contra a porta.
Justin interrompeu o beijo e quando eu abri os olhos, encontrei os seus fixos em mim como os de um predador em cima de sua presa.
–Bieber -mordi o lábio inferior e cerrei os olhos ao sentir uma de suas mãos subir lentamente pela lateral do meu corpo em direção aos meus seios. -...Alguém pode nos ver.
–Não tem ninguém aqui... Olhe para mim, neném! -sussurrou com a respiração entrecortada e assim que eu abri os olhos e o fitei, ele puxou o zíper deixando meu vestido totalmente aberto e meu corpo descoberto. A brisa da madrugada passou por mim, quando ele se afastou um pouco -Porra! -disse apenas, seus olhos passeando cheios de luxúria por todo o meu corpo -Quero foder esses peitos -passou de leve a ponta dos dedos nas extremidades do soutien e meu corpo inteiro se arrepiou. Então num gesto rápido ele o abaixou -...Suculentos! -completou antes de tomar meu seio entre as mãos e sugá-lo faminto.
Gemi alto, pendendo a cabeça pra trás. Sentia meu corpo queimar de tesão -Bieber -sussurrei, enlaçando as pernas em sua cintura -... Me come... Bem gostoso.
–Minha linda... Seu pedido é uma ordem. -Justin disse pressionando meu quadril contra sua ereção -abriu a porta -Vou foder bem gostoso essa bocetinha... E deixá-la cheia da minha porra. -concluiu, se apossando furiosamente da minha boca enquanto caminhava em direção às escadas comigo em seu colo.
continua com 3 comentários 

04 março 2013

criminoso sedutor 5 -1 parte


PDV JUSTIN
Quando me virei para Avril, fitei-a de cima em baixo “-Mas que porra é essa?” – aquele pedaço de couro mal escondia o corpo tesudo dela –Venha comigo, Avril. –peguei-a pelo braço –Agora!
–Não!
–Você vai me obedecer... Por bem ou por mal. –avisei, me aproximando ainda mais dela.
–E por que eu deveria obedecê-lo? –perguntou, levantando o queixo. Nossos corpos se roçavam perigosamente e eu me sentia a um milímetro de perder o pouco de sanidade que me restava.
“-Porque você não sabe do que sou capaz, neném!”–Porque você pertence a mim! –puxei seus cabelos, obrigando-a a me olhar diretamente nos olhos.
Ela deu um sorriso –Eu não pertenço a ninguém! -seu hálito doce e morno batendo contra o meu rosto, me enlouqueceu.
–Então serei obrigado a mostrar quem é seu dono. –antes que ela pudesse dizer mais alguma coisa, coloquei-a em meu ombro e comecei a andar entre a multidão em direção ao camarote.
PDV CAITLIN
“Eu fui pego
No meio de uma estrada de ferro...”
“-Porra... O que tá acontecendo? Onde Avril foi parar?” –olhei para Jasmine que como eu, também já não prestava atenção no show -Seu chefe está demorando. Será –virei para Jasper, franzindo a testa -...Será que ...hã... Ele conseguiu achar minha amiga?
Ele me olhou por uns instantes e depois deu um sorriso charmoso –A senhorita não o conhece. –virou o rosto em direção ao palco, onde a banda tocava –Bieber consegue tudo o que quer... Mas se está tão preocupada, vou procurar saber –aproximou os lábios do ponto de comunicação –Sam?!... Acharam MacCarthy e a senhorita Avril?
“...E eu pensei, o que posso fazer?
E descobri
Que estava sem ajuda, sem ajuda...”
Jasper voltou aqueles lindos olhos dourados para mim –Ok. –disse apenas e afastou o aparelho da boca –Eles já estão voltando... Com a senhorita Avril. –concluiu com expressão carregada.
–O que aconteceu?
–Nada.
Nesse instante minha atenção voltou para os gritos que pareciam ser de minha amiga“-Ah. Meu. Deus!” –Bieber tinha Avril, uma Avril furiosa sobre seu ombro esquerdo. Atrás deles vinham os seguranças e... Logan?!
–Logan?! –gritei, agarrando seu braço –O que tá acontecendo?
–O que tá acontecendo?! –ele repetiu minha pergunta com os olhos arregalados para os dois –Eu é que pergunto: O que tá acontecendo aqui? –voltou o olhar para mim –Quem é esse cara?
–Me solta –Avril berrava enquanto estapeava as costas de bieber -... Seu... Seu brutamontes... Idiota!
–Schhhh... –tapei sua boca com a mão e o puxei para um canto –Você não o conhece? –olhei para Avril, que tinha sido colocada no chão –justin bieber... Rei do narcotráfico... O homem mais poderoso dos Estados Unidos.
“...Nos divertimos um pouco
Conhecemos algumas garotas
E umas dançarinas que nos divertiram..."
Logan deu um largo sorriso –Ahh... Então é esse o novo namorado da avrizinha ?
–Logan?! –dei um tapa em seu braço –Você já esqueceu de Chace?... Ele é o namorado dela.
–Seu grosso ...Estúpido! –Avril continuava gritando, agora esmurrando o peito dele.
Todos, principalmente os seguranças que nunca viram o chefe ser xingado e agredido por alguém, olhavam incrédulos Avril bater em bieber.
–Não esqueci não, mas... Acho que Chace já era –apontou discretamente para os dois e me abraçou –Olhe como os dois, mesmo brigando estão em perfeita sintonia.
Observei-os por um instante, Bieber segurava os pulsos de Avril com apenas uma mão enquanto prensava-a contra a parede. A outra mão estava no queixo dela e os dois se olhavam diretamente, quase se engolindo.
–Realmente Chace já era –Logan concluiu, virando-se para trás –Até que enfim minha lindinha achou um homem ...–parou de repente –Quem é ela?
“...Sim, as mulheres foram muito amáveis
Você ficou? Atordoado, atordoado
Yeah, yeah, yeah, atordoado...”
–J-Jasmine, Jasmine Villegas.
–Humm... Morena linda!
Rolei os olhos –Tira o olho  , sem chance. Ela é irmã do –fiz sinal com a cabeça em direção a bieber –... Do troglodita aí.
–Não dá nada não.
–Tá difícil... Olha o tanto de segurança –fiz uma pausa -... Você acha que tem alguma chance?
–Por que não? – logan lançou um sorriso para ela, que logo baixou a cabeça –Uma hora ela vai ter que ficar sozinha... Nem que seja no banheiro da escola.
PDV JUSTIN
Com uma mão segurei os pulsos de Avril acima de sua cabeça e usando meu corpo, prensei-a contra a parede. Com a outra mão, segurei seu queixo com força –Olhe para mim, Avril –seus olhos negros me fitaram desafiadores –O que aquele porra é seu? –perguntei e ela simplesmente comprimiu os lábios, talvez decidida a não me responder. –Responda Avril... O que o merda do Volturi é seu?
–NADA. –ela gritou, seu rosto a centímetros do meu –EU NÃO O CONHEÇO, JUSTIN BIEBER … ELE ESTAVA COM MIKE, MEU AMIGO –sentia sua respiração entrecortada, os músculos de seu corpo retesados -...OU SERÁ QUE AGORA NÃO POSSO MAIS TER AMIGOS?
“...Sim, as mulheres foram muito amáveis
Você ficou? Atordoado, atordoado
Yeah, yeah, yeah, atordoado...”
Ficamos nos olhando por um tempo –Ele é filho de Caius Volturi...Um de meus inimigos –expliquei, afrouxando minha mão que estava em seu queixo –Caius luta para tomar meu território aqui em Los Angeles. –de repente, senti uma necessidade enorme de me explicar e deixar claro que estando comigo, ela não pode ter amizade com qualquer pessoa.
–Você –disse, fazendo um bico –...Me machucou. –completou, seu corpo relaxando contra o meu.
You Shook All Night Long –AC/DC
Você me Sacudiu a Noite Toda –AC/DC
She was a fast machine
Ela era uma máquina veloz
She kept the motor clean
Ela mantinha o motor limpo
Was the Best damn woman that I ever seen…
Ela era a melhor mulher que eu já conheci…
“-Caralho!” –senti meus músculos amortecerem e meu pau vibrou quando ela levantou sua perna direita, provocando um contato mais direto –Te machuquei? –meus olhos estavam presos aos seus –Onde? –minha pergunta soou como um mero sussurro.
… She had sightless eyes
Ela tinha os olhos invisíveis
Telling me no lies
Não me contava nenhuma mentira
Knockin’ me out with those American thighs
Me deslumbrava com aquelas coxas americanas...
Ela desvencilhou um dos braços e, sempre com os olhos fixos nos meus, tocou com a ponta dos dedos o delicado pescoço –Aqui –disse e seus dedos subiram em direção ao queixo –...Aqui –para depois tocar os lábios cobertos de um batom vermelho sangue –... E aqui.
–Avril... Você está me provocando.
–O que eu provoco em você… Bieber?
Num rápido movimento, empurrei-a para um canto semi escuro do camarote -Quer saber o que me provoca? -puxei sua perna na altura de minha cintura e cheguei meus lábios bem próximos do seu ouvido -Vou dizer o que você me provoca, minha gostosa.
...Talking more than her share
Pegando mais do que ela dividiu
Had me fighting for air
Me pegou lutando por ar
She told me to come, but I was already there…
Ela disse vem, mas eu já estava lá...
Minha mão que estava em seu joelho, passeou vagarosamente em direção à barra do vestido encontrando a cinta liga –Caralho... Que delícia! –sussurrei, subindo mais ainda a mão até encontrar sua calcinha –Você me deixa louco, Avril –disse, meus dedos acariciando-a por cima do fino tecido.
–Bieber.
Nossas respirações estavam pesadas –Isso, minha gostosa... Geme o nome do seu macho. –sem poder me controlar, enfiei dois dedos em sua xoxota –Tão molhadinha... Tão pronta pra mim. –com a outra mão, desabotoei minha calça –Sinta como você me deixa... O que você provoca em mim. –peguei sua mão e coloquei em pau que estava duro e babado, envolvendo-o.
… Cause the walls started shaking
Pois as paredes começaram a tremer
The earth was quaking
A terra estava tremendo
My mind was aching
Minha mente estava doendo
And we were makin’ it
E nós estávamos fazendo amor
And you...
E você...
Shook me all night long
Me sacudiu a noite inteira
Yeah you, shook me all night long
Yeah, você me sacudiu a noite inteira
Walking double time on the seduction line
Trabalhando a passos rápidos na linha da sedução
She was of a kind
Ela era a única
She’s just mine all mine...
Ela é só minha, toda minha ...

nossa só um comentário ok mais agora só vou continua com 3 comentários